CoSmO eM eStAdO cRôNiCo


11/11/2011


11/11/11 as 11h11m11s sem Horário de Verão

É isso! O mundo não acabou, tampouco minha vida melhorou. Deixe-me voltar ao trabalho. Quem sabe em 12/12/12 as 12h12m12s surja alguma novidade revolucinária. Até lá, vou contando os dias...

Escrito por paulo cosmo às 12h11
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

19/10/2011


Dia do Profissional de Informática

Para uma atividade profissional ainda não regulamentada no mercado de trabalho desde Hermann Holerith, para uma atividade econômica onde empresas de tecnologias da informação cada vez mais exigem qualificações extremamente específicas que direcionam cada vez mais os profissionais a perda de visão do todo e para uma sociedade que por si só já manipula computadores sem a necessidade de um profissional de TI, comemorar o que?

Escrito por paulo cosmo às 15h30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

06/10/2011


Trabalhos de Steve

Nem tão raro, nem tão farto, nem tão comum, eis que surge na história da humanidade, de quando em vez, um gênio a mudar os paradígmas da sociedade. Mas mesmo os gênios não são eternos. Nessa hora de partida, morrem os gênios, nascem os mitos. Steve Jobs, que tinha trabalho, muito trabalho, até no nome, deixa um legado inconteste para a humanidade. Uma revolução cultural...

A criação do primeiro Apple, ainda de madeira, um equipamento rústico com uma TV como monitor, foi a alucinação tecnológica da época mágica das fábricas de idéias em garagens americanas. Nesse momento, o computador ensaiava a praticidade tecnológica em que se ransformaria anos depois, deixando de ser uma especialidade de poucos para uma necessidade de muitos.

Então surge a Apple a combater o conceito das gigantes dos mainframes com terminais burros como IBM, Fujitsu e Burroughs. A microcomputador dava os primeiros passos ainda em 8 bits, 64 Kbs de memória, processador de 1mhz e drives de 5 1/4" FSDS de incríveis 128 Kbs de capacidade de armazenamento. E não é que deu certo e se popularizou entre pequenas e médias empresas...

Mas sempre se reinventando e deparado com a concorrência do primeiro PC 16 bits lançado pela IBM, ainda movido a DOS da recente MicroSoft, a resposta não poderia ser diferente: dá-lhe Macintosh, o pioneiro no uso do mouse baseado numa plataforma operacional gráfica, também inovadora e revolucionária, transformando a tela numa área de trabalho, posteriormente copiado pela MicroSoft em seu Windows.

Apple 8 bits e o Macintosh 16 bits! Computadores que difundiram a informática e revolucionaram a maneira de interação entre homem e máquina. A bem da verdade revolucionaram o uso dos computadores. Tiraram dos CPDs obscuros para os escritórios e para o lar. Dismistificaram o uso de computadores somente em empresas de grande porte, área governamental militar e universidades. Possibilitaram a inserção da informática em empresas com menor poder aquisitivo, mas principalmente, criaram o conceito de computadores domésticos.

Mas um dia o capital cortou a cabeça de Jobs da própria empresa que fundara. Mas isso não era problema, pois quem cria uma lenda não fica sem job. Então criou a PIXAR. Sua vertente gráfica e o abusado design ratificaram ainda mais sua linha de atuação.

Mas Jobs sempre quis mais jobs. E retornando a Aplle, a convite antes da falência por acionistas, eis que surge a geração "i" alguma coisa. Primeiro o IMac, outro computador conceito, design leve e colorido, com uma capacidade gráfica poderosa. Segue-se o ipod e com ele a difusão da música digital portátil mundo afora, depois o iphone e através dele um novo conceito de telefone e interação com a comunicação móvel e por fim, a complexa fusão de tecnologias para a criação do ipad, mais uma revolução tal qual o Apple, o Macintosh, o iMac, o Ipod e o Iphone. Uma eterna maneira de reinventar o conceito de interação homem/máquina.

Pensar que um Ipad apenas parece o Apple lá no fim da década de 70, mas com conceitos tecnológicos avançadíssmos que foram surgindo no caminho: eis que o primeiro possuia teclado e CPU fundidos num único bloco, mas desta vez com monitor embutido a base de toque baseado num mouse virtual a operar uma plataforma gráfica dígna de uma PIXAR. Finalmente uma máquina sem teclado para quem foi o criador do mouse.

Quantos Jobs num só...  

Escrito por paulo cosmo às 08h00
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

23/09/2011


Star Uars

Não! Não! Não se trata de guerra nas estrelas. Na realidade trata-se de um fenômeno não-natural, por consequencia promovido pelo homem, que possibilitará uma suave chuva de estrelas no céu de algum país de terceiro mundo, europa em crise ou ásia em desenvolvimento. Norte-americanos provavelmente não conseguirão observar o fenômeno por eles produzidos para iluminar a escuridão do universo através de pequenas faiscas cintilantes a entrar na atmosfera terrestre fruto do ônibus estelar - satélite de comuncação Uars - desativado há anos e que agora deciciu voltar para casa para coabitar com os demais ônibus espaciais já aposentados pela NASA. Como ele está sem bateria e não pode pegar no tranco, até porque não existe ninguem lá em cima para empurrar, o satélite desgovernado simplesmente não pode ser rastreado e cairá em solo entre o final de hoje e madrugada de amanhã. Essa é mais uma norte-americana: o satélite era nosso, mas a cabeça é de voces. Sintam nosso poder de reentrada.

Escrito por paulo cosmo às 16h54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

12/09/2011


11+1/11-2/2001+10

Foram tantas as exibições eletrônicas e digitais acerca dos dez anos do onze de setembro, que decidi - ao grande estilo norte-americano – proclamar meu “Happy Birthday” somente no “Day After”.

Escrito por paulo cosmo às 16h10
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

06/09/2011


Virou pó...

Existem expressões que se aplicam ao pé da letra em determinadas situações. No caso da herança de Emiuairrause isso é a mais pura verdade. Apesar dos milhares de shows e milhões de discos vendidos, a pop star deixou apenas R$ 5.000.000,00 de heranças aos herdeiros. O que não foi gasto cheirando, será gasto pela família na criação de uma ONG para recuperação de quem cheira. Virou ou não virou pó?

Escrito por paulo cosmo às 10h19
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

01/02/2011


BBBBBBBBBBB

Denovo. Pelo jeito não tem mais jeito. Chegou no 11, então pode alcançar o 100. Inacreditável, mas começou mais um show da vida e com ele  a propagação global da vida como a Globo quer que ela seja.


Polêmicas a parte e insinuações maldosas também, é só dar início em mais um BBB da vida besta de BBB´s, que falsos emails de personalidades reais, citadas ilegalmente, passam a circular na internet com o objetivo de denegrir a imagem desse revolucionário programa de televisão que vai fundo no psique dos participantes e de toda a sociedade telespectadora.


Não sei por que algumas pessoas vão contra tal modelo de entretenimento eletrônico e agora também digital via HDTV, o qual transmite profundo desenvolvimento sócio-cultural em meio a esse complexo desarranjo - que não é intestinal - nas relações humanas. Seria por causa do sucesso, da criatividade, da inovação, da genialidade, da cultura, da liderança ou simplesmente inveja pura?


Digo isso, pois BBB11 não é mais BBB. Já atingiu a maturidade de um pré-adolescente a procura de respostas, principalmente em testes de multipla escolha, e como tal já discute questões de gênero de suma importância sobre a humanidade, sobre as relações do capital x trabalho, sobre os destinos da civilização em meio ao crescente aquecimento global e dejelo das calotas polares. BBB é cultura! É só escutar – para quem tem tempo – os profundos diálogos entre as intelectuais mentes brilhantes dos participantes em busca de crescimento interior, da superação dos limites físicos, da evolução no inter-relacionamento em grupo. Para quem conseguir ouvir tais conversas estará claro que o BBB11 ainda pré-adolesce, inclusive na sexualidade a flor da pele e opção de gênero, número e grau.


Por que circulação gratuita de falsos emails grifados como autoria de personalidades importantes? Por que não se expor e falar em próprio nome? Sejamos claros e coloquemos nossa própria opinião a mostra, principalmente no que tange expormos idéias acerca do declínio global da programação de toda a TV, seja através de BBB´s ou falsos similares com a Fazenda, Ônibus da Alegria, Casas de Artistas e outros congêneres sem o mínimo de gênero. Não nos esqueçamos também dos Programas Evangélicos de captação financeira, os quais também são, em minha opinião, realitys shows divinos a nos observar, em doações, através de zilhões de câmeras espalhadas pelo céu, ou quem sabe, apenas nos templos maiores de fé.


Criticar BBB pra que? Por que perder tempo com críticas a grade de programação da televisão brasileira, fruto da consciência intelectual de um grupo de "dados a criativos" dominantes, perpetuadas por séculos por conta do domínio da mente de assalariados a se divertirem com a vida alheia, seja através de novelas sem fim, seja via reality shows, pois a própria vida medíocre não lhe tráz alegria, esperança, paz e tampouco a mínima expectativa de vida.


Escrito por paulo cosmo às 15h12
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

18/01/2011


Apocalipse Now

Dia desses, um colega de trabalho inseriu a expressão “Nau a Deriva”  em seu Gtalk, fruto das conclusões que tomou após uma reunião nada animadora acerca da continuidade do projeto no qual trabalhamos. Dias depois, em apoio a seu pensamento - porém com uma visão um pouco mais apocalíptica sobre o assunto - inseri “Avião em Queda Livre”  no meu Gtalk. Não demorou para, em solidariedade a nosso profundo sentimento otimista, que os demais colegas - ainda esperançosos  - começassem a manifestar em seus Gtalks as seguintes expressões: sou o piloto do avião do Paulo, sou aeromoça, sou passageiro, sou o mecânico, sou o combustível... Interessante foi que ninguem embarcou na Nau a Deriva, o que sugere que as pessoas não estão sem rumo, mas, ao vincularem-se ao avião passaram a expressar falta de esperança. As pessoas andam muito pessimistas ultimamente...

Bem! Sem querer expandir demais essa visão apocalíptica de nosso futuro profissional, por certo inseguro, incerto e imprevisível, tal qual o de qualquer um a trabalhar como prestador de serviço para o Governo ou viciar-se na mesma empresa privada durante anos a achar-se indispensável, mas, lembrando que milhares de pássaros e peixes inexplicavelmente apareceram mortos nos Estados Unidos; chuvas – como diria Heloisa Helena - estão cada vez mais avassaladoras mundo afora; tornados estão se tornando cada vez mais fortes e constantes no sul Brasil;  terremotos estão cada vez mais distribuídos geograficamente; tsunames cada vez mais invasoras praias adentro; vulcões adormecidos aparentam  recém beijados por príncipes do caos; ondas de calor cada vez mais intensas como se fossem presságios de nosso próximo habitat infernal e nevascas  mais e mais próximas do dia depois de amanhã, sugeriria outras frases para meus nobres colegas publicarem em seus manifestos digitais:

- Houston, I have a problem;

- Homens ao mar;

- Perdi a chave;

- Ônibus sem freio;

- Peguem seus paraquedas;

- Segurem-se;

- Coloquem seus cintos;

- Sai de baixo;

- Perdidos no Espaço;

Nessas horas de caos, fruto de catástrofes a assolarem a humanidade, seja por ar, terra e/ou mar, o certo é lembrarmos-nos da frase animadora que afirma existirem duas posições sobre problemas dessa natureza. Talvez posições da natureza: Enquato a visão otimista diz que vai dar merda geral, a visão pessimista acredita que a merda não dará para todos. É só esperar pra ver.


Escrito por paulo cosmo às 14h39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

29/12/2010


E lá se vai 2020...

 

Às vezes acho que os dias passam rápido. Outras acho que não. Mas no final de ano não existe quem não diga: nossa, já é Natal!

 

Na realidade, toda vez que chega alguma data comemorativa durante o ano as pessoas repetem: "o ano mal começou e já estamos no carnaval" ou "puxa vida, acabamos de tirar a fantasia e a Páscoa está ai" ou "rapaz, já chegamos nas quadras juninas" ou ainda "parece que a fogueira de São João foi ontem e já estamos em finados", obviamente seguido de "caracas, mais um Natal e parece que eu casei ainda ontem".

 

O tempo passa... Um dia desses, despretenciosamente fui pesquisar na internet alguns nomes de amigos e amigas perdidas por entre os desencontros da vida e me deparei com o inquestionável espelho do tempo, acusando-me que aquele rostinho lindo (rsrsrsrs) outrora existente já não habita mais este plano carnal. E me desculpem alguns amigos e amigas, mas o tempo não foi cruel somente para mim... (rsrsrs)

 

Nessas horas, onde a tarde de ontem pode ter uns trinta anos atrás, fico lembrando de quando era petista e torcia para que Lula fosse Presidente. E parece que ele se elegeu ontem, ainda com cabelos pretos e discurso de reformista nacional.  O espelho do tempo também passou para ele. Mas o pior  disso tudo não é detectar que estamos velhos, que o Lula tem cabelos brancos e que nunca foi de esquerda,  mas constatar que a Dilma assume daqui dois dias e, apesar disso siginifcar uns 8 anos a mais para mim, eu gostaria que isso fosse ainda ontem e que ela estivesse entregando a faixa de cabelos brancos para um novo Presidente ao invés de recebendo-a com tintura capilar a encobrir os planos de governo de arrepiar os cabelos. Que Deus nos ajude e que venha 2020, afinal, 2011 foi quando mesmo?

Escrito por paulo cosmo às 17h01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

17/11/2010


Pelo amor de Deus

Como ninguém mesmo lê este Blog, posso usá-lo para externar as maiores barbaridades, blasfemeas, calúnias, difamações, xingamentos, injúrias, cusparadas, tapas na orelha, pés na bunda e outras "inoportunidades" nunca antes pronunciadas na blogesfera, que ainda assim, ninguém ficará sabendo de absolutamente nada disso, pois ninguém simplesmente lê isso daqui. Nem procurando no Google isso seria revelado, pois não pago por disponibilidade deste espaço eletrônico na busca rápida. Acredito que ninguém me aponte em seu blog ou indique este endereço como referência disso ou daquilo. É somente um espaço para eu publicar minhas neuras, as quais, passaram a andar em alta novamente. Talvez por causa de meu estado de espírito, talvez por conta do estado em que me encontro, talvez, e bem provavelmente, por causa de me encontrar ainda neste estado. 

Pois bem. Estou cansado! Mas isso não é novidade para algumas pessoas que me conhecem e vivem a dizer: você vive reclamando da vida... Cacete! Reclamo mesmo. Estou cansado disso também. Me desculpem...

Qualquer um que conheço pode ficar a reclamar do sol causticante, do frio congelante, da chuva incessante, do vento dilacerante, do salário mínimo ultrajante, da jornada de trabalho desgastante, do chefe ignorante, do subalterno arrogante, da exposa, da amante, do filho insistente, da mãe tolerante, do pai exigente, do amigo, do berrante, do irmão negligente, da cunhada estonteante, do sobrinho adolescente, da sobrinha pré-adolescente, da avó resistente, da tia remanescente, do primo drogado reincidente, do vizinho de baixo eloquente, da vizinha de cima inconsequente, do vizinho da frente inteligente, da colega de trabalho inexperiente, do companheiro de partido combatente, do zagueiro da pelada incompetente, do motorista de táxi imprudente, do motorista de ônibus imprudente, do motorista de caminhão imprudente, dos motoqueiro imprudente, do ciclista imprudente, do pedestre imprudente, da carrocinha de tração animal inconveniente, dentre outros antes e entes...

Qualquer um pode reclamar. Para essas pessoas não estará sendo formulada uma reclamação, mas uma visão crítica sobre um dado assunto, um ponto de vista sobre um certo tema, uma opinião acerca de um dado fato, uma observação a respeito de uma situação, uma ponderação relacionada a um pensamento comum, uma crítica aplicada a uma constatação.  Ninguém reclama. Só eu!

Qualquer um que manifeste uma insatisfação estará simplesmente manifestando uma insatisfação. Eu não! Estou fadado a ser reclamão. Aqui mesmo estou sendo um reclamão de ser intitulado reclamão. Qualquer um pode reclamar que vivo a reclamar, mas eu não posso reclamar quando reclamam sobre mim, pois estarei reclamando. E na realidade nem reclamei de nada. Ou reclamei?

Escrito por paulo cosmo às 02h13
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

05/06/2010


Sessão de pura tortura

Finalmente, após anos, muitos anos mesmo, percebi o porque das cadeiras de dentista serem tão confortáveis. Diga-se de passagem, confortáveis desde a época em que as brocas eram de baixa rotação, o amálgama era feito pelo próprio dentista, não existia sugador de saliva, a obturação - por precaução - acabava com o dente inteiro apesar da cárie ser apenas um pontinho manchado. Ah! Não havia ajudante no consultório. Era só você, seu dentista, mas principalmente Deus a segurar em nossas mãos. Época de anestesia que derrubava o rosto inteiro por horas...


Mas voltando as cadeiras. Dentista faz com o paciente a mesma coisa que frigorífico faz com o boi. O frigorífico primeiro dá carinho para que o bicho se sinta protegido e depois senta o porrete. A carne fica macia, macia, pois o boi não morreu estressado. A cadeira do dentista é um tanto similar. Você senta, reclina-se, desce suavemente a cabeça em direção ao encosto, estica as pernas, quem sabe até transpõe uma sobre a outra, cruza os braços ou fricciona as mãos, sente-se relaxado, confortável e se por alguns instantes fechar os olhos e esquecer de onde esta, pode até cair num sono profundo de sonho picante com a Ana Paula Arósio. Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiii Ana Paula Arósio. Carne macia, macia...


Mas a questão é que sabemos onde estamos e é impossível fechar os olhos. Na realidade fechar os olhos é fácil, pois na hora que a auxiliar lhe coloca o óculos, depois o babador em seu peito, por fim aquele lencinho na sua mão e o dentista vem com a frase "abre a boca" seguida da introdução daquela pinça investigadora, não tem jeito. Fechamos os olhos para não ver. Mas não ver o que se não conseguimos olhar para dentro de nossas bocas? 


Dentista é meio vodoo. Inicia com todo um ritual macábro para que entremos no clima apavorante. Alguns nos drogam para que não sintamos a tortura a todo vapor. Mas outros são carniceiros. Iniciam o trabalho sem dó nem piedade. Gostam mesmo de ver nossas pálpebras se apertando, nossos lábios se contraindo e a boca silenciosamente se fechando. Alguns masoquistas ainda conversam com você e esperam que você responda. E quando ele pincela? E o jatinho de ar? E quando ele vem com a maquininha?  E o jatinho de água? Pasme! Alguns perguntam se está doendo. Na realidade dentistas adoram conversar com os pacientes. Acharam a maneira correta de dizer qualquer merda e não ouvirem uma opinião contrária, seja porque não podemos discutir com a boca cheia, seja porque não devemos discutir com o dentista numa hora dessas...


Essa semana, durante meu tratamento de canal - só canal -, após eu reclamar de um dor, meu dentista me disse: seus dentes são muito sensíveis. Na hora que ele deu um tempo, respondi: sensíveis o cacete. São uns insensíveis, desnaturados. Fossem sensíveis não ficariam a castigar a boca que lhes alimenta, o corpo que lhes hospeda, a alma que toma conta de tudo isso, mas principalmente o ouvido que geme solidário de dor.

Escrito por paulo cosmo às 23h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

29/05/2010


Inteligite aguda...

Nesta semana um cientista veio a publico afirmar ter contraído um vírus de computador. Isso na mesma semana que outros cientistas declararam ter criado uma bactéria sintética através de esquemas montados em computador. Epa! Computador, vírus, homem, computador, bactéria, homem... Ai ai ai. Isso não vai dar certo.


Mas voltando ao primeiro assunto inicial, isso sim é uma revolução, pois de receptores da Influenza H1N1 - na moda - passamos agora a ser hospedeiros também trojans e outras pragas cibernéticas. Ou seja! Não bastasse a gripe suína, a peste bubônica, a gripe aviária, a malária, o tifo, a febre amarela, a dengue e outras viroses sem identificação médica - e por isso chamam-se virores, se é que dengue é vírus - também podemos contrair outros tantos milhões de vírus de alguma lista digital da AVG, Avast, McAfee, Norton, Karpesky, Avira, Nod32 etc e tals.


Bem! Quando me deparo com um notícia como essa, é claro que fico preocupado com o destino da civilização, com o futuro de minhas filhas, com a ordem natural das coisas, com o extermínio das espécies e com a relação entre criação e criatura, nesse contexto perverso de filho sempre ir de encontro ao Pai. Quem assistiu Exterminador do Futuro sabe bem do que estou falando. Na realidade, não é preciso mais filme para perceber essa rebeldia. Tenha um filho e verá. Mas como esse assunto catastrófico é futuro e a não ser que essa tecnologia sirva para me eternizar na Terra - o que seria horrível - tenho algumas preocupações bem mais presentes.


Por exemplo. Se podemos pegar vírus de computador, então chegará o dia em que ele pegará gripe suína. Talvez até de um porco criado com células sintéticas e alimentado desde a fase embrionária com derivados de soja transgênica contrabandeada do Paraguay. Bom! Assim sendo, por onde será aplicada a vacina contra Influenza H1N1 nesse computador? Eu explico. Onde enfiar a seringa para a vacinação em massa de TI?

 

Oras! Se podemos nos infectar com vírus de computador, também teremos que instalar em nossos corpos algum tipo de anti-vírus, pois nosso sistema imunológico não saberá reconhecê-los e portanto será necessário um programa que os identifique, bloqueie, exclua ou mande-os para a quarentena. E aí vem a pergunta:


- Se precisamos instalar anti-vírus em nós mesmos, mas ainda não conseguimos nos auto-conectar na internet, então será necessário utilizar um PenDrive. A questão é onde plugar essa memória externa e realizar a carga.


De minha parte advirto que meus periféricos são estritamente de output. Que ninguém me venha com esse negócio de input no meu hardware, pois em bunda que mamãe passou talquinho ninguém põe PenDrive. E não importa a capacidade que não me impressiono. Pode ser de 32Gb. Tamanho para mim não é documento e tampouco desperta interesse. Se eu pegar Inteligite, foi um prazer conhecê-los.

Escrito por paulo cosmo às 00h39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

27/05/2010


Bundinha com manteiga

O mundo das curiosidades gaúchas. Não! Não irei contar aquelas piadinhas homofóbicas sobre nossos compatriotas dos pampas. Isso não! Para esse tipo de insinuação caluniosa, ato difamatório e observação mentirosa já existe um grupo de humoristas - grande e sem repertório - que insistem em menosprezar toda a máscula soberba gaúcha do Laçador, ícone em pé que defende a virtude do bombacheiro imponente com queixo erguido, bunda arrebitada, olhar perdido no horizonte e aquele jeito macho de ser que só gaúcho sabe.


Quem sou eu para inventar piada sobre o descendente de alemão, chupador de chimarrão, devorador de churrascão, bebedor de cervejão e comedor de mulherão? Não sou ninguém não! Mas me atrevo a falar de pão...

Creio não ser novidade para ninguém pão de gaúcho se chamar cacete. E é claro que sempre vem aquela analogia barata de gaúcho adorar colocar uma cacetinho na boca e morder com vontade. Caracas! Até eu que não sou gaúcho gosto de um cacetinho quentinho no café da manhã. Quem não gosta de um cacetinho crocante por fora e macio por dentro? É óbvio que não dá para ficar repetindo essa frase - assim desse jeito - em plena noite, bem no Largo do Arouche em São Paulo ou Costa Aguiar em Campinas. Esse cacetinho daria muito pano pra manga.


Voltemos ao cacetinho gaúcho. Lá, mastigar - ai - um cacetinho é normal. Pedir para cortar - ai, ai - um cacetinho e passar manteiga é plenamente normal. Esquentar - pqp - o cacetinho na chapa é tri normal. Levar - ufa - o cacetinho  pra casa é coisa para macho. Mas semana passada descobri que não existe somente cacetinho. Nananinanão! Eles conseguiram se superar. Existe também um pão chamado bundinha. rsrsrsrsrsrsrsrs


Porra! Esse pessoal do sul é estranho. Não podiam chamar pão somente de pão? O que há de contranisso? Será que é pelo puro prazer de fazer o pedido na padaria? Opa! Assim sendo não deveria se chamar caceteria?


- Bah Tche! Por favor, me veja dois cacetinhos na chapa.

- Bah Tche! O senhor quer que passe manteiga na sua bundinha?

- Bah Guria! O cacetinho é fresco? Mete cinco no saco.

- Bah Tche! E na bundinha, não vai nada?

- Bah Seu Zé! Um cacetinho logo de manhã anima a gente...

- Bah tche! Se tem uma coisa que eu adoro é bundinha amanhecida.


 

Escrito por paulo cosmo às 13h51
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

21/05/2010


O Genoma do PacMan

Há exatos 30 anos o PacMan surgia como uma revolução dos "games" existentes até então. Obviamente nossos filhos - esses alucinados  nativos em computação - nem sabem do que estamos falando ao mencionamos PacMan,. Imaginem se os questionássemos sobre o  Telejogo da Atari, aquele - lembram-se ? -  aparelho que ficava fazendo Pong pra lá e pra cá na tela da TV , através de dois fantásticos botões de girar.


Epa! O PacMan já é trinta. Isso me me leva a raciocinar sobre a noticia de hoje: Cientistas criam em laboratório a primeira bactéria sintética. Vida artificial que conseguiu sobreviver e se multiplicar em laboratório. Uma bactéria meio Telejogo. Ainda sem muita maleabilidade, sem muita tecnologia, mas que um dia vira um pequeno evoluido PacMan. Olha só! Uma bactéria devoradora.


O tempo vai passando, a tecnologia evoluindo mais e mais, e certo dia alguem dá um gás total nessa bactéria e finalmente não existirá mais o PacMan, mas um PlayStation Mobil com jogos de destruição em massa. Não será mais uma simples bactéria, mas um sistema complexo criado para matar. Se chegarmos lá, será que existirá o dia de comemorarmos os 30 anos da primeira bactéria sintética ou seus descendentes já teram acabado com tudo?



 

Escrito por paulo cosmo às 21h48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

09/04/2010


Primeiro aniversário

 

Há extato um ano atrás, por incrível que pareça, larguei de fumar. Decidi dar um tempo para meus pulmões, mas principalmente para meu bolso, pois já estava avançando para os três maços diários. Coisa de morador de Macapá com uma rotina nada entediante. O gasto diário com três maços, colocados na ponta do lápis, seria cooperação demais, de minha parte, para o programa de estabilização da economia em face da crise mundial daquela época.


Mas lá se foi um ano. Ufa! Passados 365 dias de abstinência completa, eliminação do odor, desintoxicação do organismo e ausência de pigarro diário, só tenho uma coisa a dizer: puta que pariu, que vontade de fumar um cigarro. Alguém tem fogo?


Pelo menos para mim, sempre repito que não parei de fumar, mas sim, tento largar o vício todo santo dia. E venho conseguindo fazê-lo durante um ano. Amanhã já não sei o que vai dar. É sempre um dia apos o outro e uma ansiedade atrás da outra. Eu adoraria estar comemorando aniversário de outras coisas largadas, mas tudo a seu tempo.


Largar de fumar também serviu para levantar meu ego, afinal, Barack Obama pode disparar mísseis nucleares, assinar orçamentos trilhardários, movimentar milhões de soldados entre o planeta e até autorizar viagens espaciais intergaláticas, mas não consegue largar o maldito cigarrinho do demônio. Nessa eu saí na frente, mas confesso que prefiriria fazer o que ele faz e continuar fumando. rsrsrs

 

Escrito por paulo cosmo às 13h30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Perfil

Meu perfil
, Homem, Guarani, Latin, Sexo

Histórico